quinta-feira, 31 de março de 2011

Marcelo Tas Ironiza Jair Bolsonaro

O apresentador do CQC da TV Bandeirantes, Marcelo Tas ironiza as declarações do deputado Jair Bolsonaro sobre preconceito contra, negros e homossexuais. O Portal Imprensa fez uma entrevista com o apresentador sobre essa declaração Veja Abaixo




Fonte: Portal Imprensa



Creditos: João do Microfone



IMPRENSA - Como você avalia a repercussão que as declarações do deputado geraram?




Marcelo Tas - A minha avaliação é que há muito pouco debate sobre isso. Talvez por isso a repercussão tenha sido tão grande. Eu diria que nós, no Brasil, não estamos acostumados a controvérsia, a temas contraditórios. Acho que o "CQC" cumpre esse papel apesar de se um programa de humor, trazemos temas que estão adormecidos, que a sociedade brasileira não se deixa falar abertamente sobre eles e vem a tona esse tsunami de gente, às vezes até se agredindo, uma tonalidade lamentável. Mas que acho necessário para a gente se acostumar mais com a controvérsia.




IMPRENSA - Quando ele foi escolhido para participar do caso, imaginou que fosse ocorrer uma repercussão como essa?




Tas - Não imaginei, honestamente não. Eu sou acusado por algumas pessoas de explorar o assunto, do assunto ser usado pra dar audiência pro programa. Se você reparar, essa matéria não foi sequer anunciada como uma atração, como a gente faz diversas vezes, anunciando que vai passar. Essa matéria não foi sequer anunciada porque não era nossa intenção vendê-la para chamar audiência. Eu tenho uma posição bastante madura sobre o assunto. Minha filha é homossexual. Esse tema pra mim é muito tranquilo, já amadurecido. Levo um susto quando vejo que as pessoas se chocam, mas se elas se chocam, é porque tem que debater ainda.




IMPRENSA - Por que o Bolsonaro? Como vocês selecionam as pessoas que vão responder às perguntas do "O povo quer saber"?




Tas - O Bolsonaro foi escolhido por causa das posições dele. Nossa intenção foi justamente essa, a gente coloca na cadeira pessoas que tem posições que possam provocar um questionamento popular, pessoas que têm posições passíveis de debate. Nossa intenção é questionar e estimular o debate.




IMPRENSA - Sabemos que no Brasil muita gente não lembra em quem votou e nem conhece as pessoas que foram eleitas. Todos sabem o que perguntar? Como funciona esse processo?




Tas - O cara que está perguntando não precisa conhecer o entrevistado. Às vezes tem turista que pergunta para artistas brasileiros. A gente fala para as pessoas o tema, contextualizamos, falamos das áreas em que a pessoa atua e etc. Em cima desses temas, as pessoas fazem as perguntas e gravamos muitas, muitas perguntas para selecionar depois. Procuramos também colocar gente que concorda e que discorda do entrevistado. A posição dele sobre homossexualismo é conhecida por muita gente, assim como a posição dele sobre outros assuntos. A Preta Gil, por exemplo, foi convidada a fazer uma pergunta e ela escolheu o que queria perguntar.




IMPRENSA - Muitas pessoas criticaram o "CQC" por ter dado espaço a uma pessoa que tem posições preconceituosas. O que acha dessas críticas?





Tas - Acho que aí está o equívoco absoluto das criticas. Não é o "CQC" que deu espaço. Esse cara tem 120 mil votos. É um representante legítimo de um pensamento. Não acho que a cassação do Bolsonaro, por exemplo, resolva alguma coisa. É claro que se ele feriu algum código de ética da Câmara etc., ele pode ser punido ou cassado, mas isso é um problema da Câmara. Não acredito que uma pessoa que representa uma visão retrógrada tenha que ser cassada. Se for assim, teríamos que cassar os eleitores também. Acho importante que ele esteja lá represando a visão retrógrada para debater essa visão. É assim que as coisas mudam, não cassando ou criticando por dar espaço a uma pessoa com visão retrógrada.



A gente dá espaço não porque concordamos com isso, damos espaço porque acredito que a sociedade brasileira tem que debater. É por isso também que entrevisto e dou espaço pro [Paulo] Maluf. Por que a gente vota em gente assim para nos representar? Quando o "CQC" põe o Bolsonaro no ar, está pondo milhares de pessoas que pensam como ele. Tanto que no meu blog tenho centenas de comentários sobre o caso e tem muita gente favorável a ele. Tem gente que tá falando em "Bolsonaro para presidente". E discordo de algumas pessoas do movimento gay, que estão agindo com uma intolerância tão grande quanto a do Bolsonaro. Não adianta querer acabar com ele, riscá-lo do mapa ou mesmo da vida pública. Não é assim que a gente avança. A gente evolui lendo sobre os assunto, explicando os pontos de vista, debatendo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário